Feeds:
Posts
Comentários

Uma grande bobagem. Na verdade, a maioria das pessoas está discutindo lugares comuns, tomando as coisas pelo sentimento que despertam e não por sua substância. Há mais coisas entre o céu e a terra do que direita e esquerda!

Hitler se tornou uma espécie de símbolo do mal absoluto e por isso ninguém quer ser associado a ele e o nazismo. Além disso, querem associar seus adversários ideológicos a este mal para afetar superioridade moral. Essa divisão  da humanidade entre duas categorias absolutas é uma das simplificações mais grosseiras que já fizeram. Deveríamos usar menos tempo em nos definirmos por rótulos do que em pensar realmente sobre as coisas que acreditamos.

Podemos sim dizer que há duas atitudes humanas básicas: conservar e mudar. Em si elas não são boas ou más, dependem do que estamos tratando. Temos que conservar o que é bom e mudar o que não é. Parece simples, mas a dificuldade está justamente em saber o que funciona e o que não funciona. Uma pessoa sadia terá, ao mesmo tempo, os dois impulsos. Será conservadora em alguns aspectos e renovadora em outros. Vai acertar ou errar constantemente, mas tentando fazer o certo.

O problema é que existem muitas pessoas que não conseguem conviver com a tensão entre os dois impulsos e terminam querendo conservar tudo ou mudar tudo, independente do mérito. A ideologia é um pouco disso.

Hitler não queria conservar as tradições e a cultura alemã. Queria mudá-la radicalmente, queria fazer o homem novo alemão. Assim como queria Stalin e Lenin na Rússia. Eram, acima de tudo, revolucionários. Uma coisa eu existe em comum entre eles era o desejo de estabelecer uma nova sociedade a partir de um poder central representado por eles mesmos. Eram totalitários não porque queriam impor a vontade deles à força, mas porque queriam que as pessoas pensassem como eles. Há uma diferença entre totalitarismo e autoritarismo. A fato deles terem tido as duas coisas ao mesmo tempo acaba por confundir. É perfeitamente possível ser totalitário sem ser autoritário e vice-versa, mas essa é outra discussão.

Hitler era de esquerda? Bem, uma coisa ele realmente era, um socialista. Também era nacionalista, aliás, como Stalin. Trotsky, por outro lado, era socialista e não era nacionalista. Mas nada disso importa se o que está em jogo é rotular uns aos outros. Não querem saber, de fato, o que era Hitler e sim usá-lo como ofensa para pessoas ou grupos discordantes. Isso é uma atitude totalitária. A coisa mais prudente a fazer nessa discussão ridícula é se manter afastado pois, no fundo, trata-se de uma disputa de força ideológica. Uma grande bobagem.

O curso do Olavo de Carvalho

 

Pelo menos em tese, mais importante que um curso em si é o aprendizado. Todas as técnicas, formalidades, meios, perdem importância se pensarmos que o grande objetivo da educação é aprender algo. Isso é ainda mais significativo se pensarmos na filosofia, talvez a mãe de todas as disciplinas. No entanto, no nosso mundo moderno, a universidade se tornou tão especializada, e burocratizada, que essa equação se inverteu. As universidades não são mais conhecidas pelo que de fato ensinam e formam, mas por toda estrutura e rituais que utilizam para formarem seus al20151116-olavo-de-carvalhounos. O principal produto de uma universidade é, ou deveria ser, o seu formando. Quanto melhor for este produto, mais eficiente e melhor será essa  universidade. No entanto, temos pouquíssimos exemplos práticos, considerando que existam, de como medir a qualidade desse produto.

O filósofo brasileiro Olavo de Carvalho tem um curso de filosofia. Outro dia, um de seus críticos escreveu que se tratava de um esquema. Disse ele que o curso não dava diploma, era inteiramente feito por internet, não tinha prazo para conclusão e nem qualquer registo de currículo. À luz da Universidade Moderna sem dúvida uma excrescência, pois o curso do Olavo ignora todos os dogmas mencionados no primeiro parágrafo. Ele é o primeiro a dizer que a única forma de aprender a filosofar é ver um filósofo atuando. Foi assim com alguns dos maiores filósofos da história como Aristóteles, Platão, São Tomás de Aquino fizeram. Sem acompanhar um filósofo de verdade, o trabalho é muito mais complexo, pois partirá da absorção dos livros escritos por esses filósofos e um bom trabalho de imaginação para tentar reconstituir os passos que esses filósofos fizeram para produzir essas obras.

No entanto, se pegarmos o currículo de qualquer curso universitário de filosofia, praticamente só se estuda a história da filosofia e questões abstratas, ou seja, a filosofia pronta de diversos filósofos. No máximo, defende Olavo, chega-se a ter algum rudimento de cultura filosófica, o que é muito diferente de aprender realmente a filosofar. Não passa pela cabeça daquele crítico que o aluno do Olavo de Carvalho não esteja interessado em um diploma ou seguir um currículo, coisa que pode fazer muito bem nas melhores universidades brasileiras; não é tão difícil entrar para um curso de filosofia de uma universidade pública. Mas o aluno do Olavo está interessado em algo diferente, está interessado em aprender. Portanto, dizer que o curso de Olavo de Carvalho não atende aos cânones de universidade é algo que o próprio concordaria integralmente. Olavo é muito claro ao dizer que o seu curso não só não dará um diploma como não será aceito por nenhuma instituição brasileira. Portanto, para dizer seu curso é bom, a única forma é analisar o seu resultado, ou seja, o que seus alunos andam fazendo.

Poucos sabem que alguns dos seus mais aplicados alunos estão ocupando espaços na combalida vida intelectual deste país. Seja escrevendo em blogs ou livros, proferindo palestras ou cursos, alguns nomes passam a ser conhecidos no debate, tendo como reconhecidas suas capacidades de expressão oral e escrita, clareza de pensamento e, sobretudo, pelo acerto das suas previsões quando comparadas com a mídia tradicional. Esses alunos têm demonstrado uma capacidade de análise e entendimento da realidade que superam os tradicionais formadores de opinião. Não vou dizer seus nomes para manter um certo suspense e evitar os estereótipos, mas comecem a reparar a quantidade de livros bem fundamentados, com ampla pesquisa histórica, apoiados em uma filosofia clássica e numa continuidade com que melhor temos em nossa tradição.

Além disso, uma quantidade até algum tempo impensável de livros de autores até pouco tempo praticamente desconhecidos passaram a circular por diversas editoras. Esses autores passaram a ser conhecidos no país a partir de aulas e palestras proferidas pelo professor Olavo, embora alguns editores vão negar até a morte que a dica que receberam partiu dessa figura tão marginalizado da vida intelectual brasileira. O formador de opinião pública, também conhecido como intelectual porém idiota (IYI), vai se referir ao Olavo de Carvalho em tom pejorativo, ridicularizando-o, como uma espécie de guru que comanda uma seita a partir de uma pequena cidade do leste dos Estados Unidos. O que não vai conseguir explicar é como esse mesmo guru conseguiu formar uma geração de escritores e palestrantes que tratam com crescente intimidade nomes como os de Voegelin, Louis Lavelle, Roger Scrutton, Padre Sertillanges, Mortimer Adler, Northrop Frye e tantos outros. Também não vai conseguir explicar como seus alunos conseguem escrever livros tão bons e superar a retórica vazia e cansativa dos melhores professores universitários brasileiros. Nesse aspecto, Olavo de Carvalho é realmente um fenômeno.

Sim, o curso de Olavo não atende o rigoroso padrão estabelecido pelas universidades modernas. Pode-se até dizer mais, que ele é tudo aquilo que o seu professor universitário vai dizer que não é científico e nem rigoroso.  No entanto, paradoxalmente, ele vai trazer resultados muito superiores ao que uma universidade tradicional, mesmo das melhores, é capaz de fazer. Pelo menos seus alunos aprendem logo de cara que não devem criticar o que não conhecem profundamente; já o intelectual porém idiota vai se dar o trabalho de escrever artigo ridicularizando um curso  que não conhece, não sabe como funciona e nem quer saber. Esse intelectual provavelmente é dono de um respeitável currículo universitário, mas não tem  inteligência para entender que está dando razão ao Olavo de Carvalho.  Já estão sendo superados não pelo Olavo, mas por seus alunos, e nem entenderam ainda o que só começou a acontecer. 

Depois de décadas de domínio completo das esquerdas, finalmente abriu-se espaço para que intelectuais não-esquerdistas possam ocupar o debate de idéias neste país. Como deveria ser esperado, tem de tudo, inclusive muita gente sem preparo suficiente para tal empreitada. O espaço foi aberto, na base do facão, por aquele que boa parte dos beneficiados de hoje gostam de ridicularizar. Mas essa é outra estória. O fato é que hoje existe espaço para intelectuais independentes dos dogmas esquerdistas poderem expor e defender outras idéias.

O problema é que muitos desses nomes estão se comportando como meninos e meninas mimados. Não admitem serem contrariados e se comportam como donos da verdade. Até ai, nada de novo em relação ao que a esquerda já fazia. O problema é a pessoa fazer isso em nome do conservadorismo, pois está na essência do pensamento conservador a dialética de Platão e Aristóteles, que não deve ser confundida com a dialética hegeliana/marxista. Enquanto os alemães entenderam a dialética como uma praxis, uma marcha histórica, os antigos a entendiam como método de investigação. É preciso confrontar idéias para que a verdade termine sendo revelada. Basta ler Chesterton _ já que somos incapazes de ler São Tomás de Aquino. Era impressionante como o genial pensador inglês era capaz de resumir as teses que não concordava melhor do que seus defensores, de forma até carinhosa, para poder questionar seus pressupostos e consequências, mostrando onde estavam os erros. Não por acaso, seus maiores adversários intelectuais eram seus amigos.

Fico triste de ver gente boa caindo nas armadilhas do próprio ego. Esta semana temos o espetáculo deprimente do Carlos Andreazza, que tem feito um trabalho excepcional na Record, com os Bolsonaros. Não dá nem para dizer quem tem razão porque a coisa tomou a dimensão de discussão de meninos no colégio de ginásio. Para piorar, o editor agora está batendo boca com leitor de twitter. “Ah, mas ele está mostrando a virulência do seguidor do Bolsonaro!”. Não diga? Em qualquer área de comentários, sobre qualquer assunto, vamos encontrar boçalidades. Pinçar um ou dois idiotas como exemplo não é coisa que se faça. Querer generalizar a partir de alguns exemplos e tratar todos que discordam como se fossem iguais e, no limite, responsabilizar o adversário pelo comportamento de meia dúzia de imbecis é indigno de um bom pensador. Foi o mesmo padrão da discussão alguns meses atrás entre a Madame Brazyl e o Bené Barbosa.

É possível ser diferente? Alexandre Borges mostrou que sim. Diante de ataques gratuitos por um dos Bolsonaros, por ter ido a um evento com João Dória, fez o correto; ignorou solenemente a situação. Não dá para ser um intelectual sério, querer ser respeitado, entrando em qualquer discussão. O Alexandre não foge ao bom debate, mas para isso é preciso ter algo para debater. Ficar chamando um ao outro de feio só depõe contra quem participa desse tipo de confronto gratuito _ não dá nem para chamar de discussão.

No caso Andreazza e Bolsonaros, a coisa começou, até onde sei, por ataques no twitter pelo voto dos Bolsonaros pela admissão do processo contra Temer. Andreazza poderia ter analisado o cálculo político do voto do clã, mostrado que tratava-se de um voto mirando 2018, ou mesmo pedindo explicações. Ao invés disso, preferiu partir para ridicularizações e associação com o petismo. Ficou feio, pois ficou parecendo coisa de histérico. Em uma discussão, perder o tom é fatal.

Uma pena que esse tipo de comportamento esteja se alastrando pela rede. Quero crer que trata-se apenas de um primeiro momento, fruto da inexperiência de poder, enfim, defender publicamente idéias diferentes da vulgata marxista. Enquanto isso, se fosse amigo dos envolvidos, que inclusive admiro, aconselharia a ler “Hereges”, do Chesterton. É quase um manual didático de como desmistificar mentiras que aparentam ser verdades. Evita muita discussão inútil e formação gratuita de inimizades.

RIP, Charlie Gold

Minhas orações estão hoje, em primeiro lugar, com o bebê Charlie, que hoje deixou o mundo como um símbolo de onde pode chegar a cegueira espiritual de burocratas estatais.

Em segundo lugar, por seus pais. Que foram impedidos de lutar pela vida de seu filho.

Em terceiro, por esses mesmos burocratas, pois não é pequeno o crime que ajudaram a cometer.

Por fim, pelos que acham que deveria ser isso mesmo, pois estes talvez sejam os piores. Eles dão sustentação cultural para políticos e burocratas possam passar por cima de qualquer noção de dignidade humana.

Por fim, rezo por mim mesmo, pois tenho que combater o ódio e nojo que estou sentindo hoje.

RIP Charlie Gard.

 

Nenhum homem é uma ilha; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse o solar de teus amigos ou o teu próprio; a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti.

John Donne

Algumas observações sobre o que vi no Rio de Janeiro nestes 4 anos que estou na cidade.

1. O carioca desistiu. Já não acredita que as coisas podem realmente melhorar, que há algum futuro. Não há esperança e Dante nos ensinou que inferno é justamente o lugar onde a esperança não entra.

2. A situação é de colapso generalizado. Todos os sistemas públicos faliram, incluindo segurança. A bandidagem está cada vez mais audaciosa, testando os limites e descobrindo que eles não existem.

3. Não me parece que o pior já passou. Creio vivemos uma espécie de antecipação de algo ainda muito ruim ainda por acontecer.

4. Não sei até que ponto pode-se dizer que o Rio de Janeiro é uma lupa ampliada dos problemas brasileiros. Não existe cidade hoje, pelo menos de médio ou grande porte, que não tenha problemas com violência. Se isso for verdade, podemos concluir que o Rio de Janeiro é a antecipação de problemas que ainda vão se tornar mais agudos em outros lugares.

5. Por muito tempo o Rio se beneficiou da exploração do petróleo. Essa época acabou com a divisão do royalties. Não voltará.

6. Sem indústria forte ou vocação empreendedora, o Rio tem como potencial a ser explorado o turismo e a cultura. O potencial turístico é afetado fortemente por fatores como violência urbana, falta de empreendedorismo, limpeza pública, organização, qualificação de mão de obra, infraestrutura e transporte urbano deficiente. Na base destes e outros problemas do Rio de Janeiro está a violência urbana. Não acredito que qualquer atividade econômica sustentável possa se desenvolver em um ambiente marcado por profunda insegurança.

7. A presença da Rede Globo no Rio de Janeiro é um forte fator para disseminação de uma cultura de glorificação de criminosos e da tese que a violência é consequência da pobreza e da desigualdade social. O mais nefasto desta tese é que conclui que não se deve combater o banditismo e sim eliminar a desigualdade social, o que resultará, em um passe de mágica, no fim da violência. A crença de que pobreza gera violência está consolidada. Acredito no contrário, que violência gera pobreza. Não imagino nenhuma solução para a cidade que não comece por eleger a segurança pública como ação principal.

8. Além disso, os programas populares da Rede Globo, como as novelas, reforçam condutas pessoais que, adotadas pelos mais pobres, produzem famílias rompidas, crianças sem proteção dos pais e perpetuação da pobreza. Pobre não tem psicólogo, clínicas de desintoxicação, condições financeiras de criar filhos sozinhos, etc. A família sempre foi a principal proteção dos mais pobres. Está em ruínas.

9. A cultura, que seria outro potencial do Rio de Janeiro, está tomada por uma classe de artistas que defendem o que existe de mais retrógrado na conduta humana e defendem, sem pedor, ideologias que nunca funcionaram em lugar nenhum e que, quando adotadas, só produzem multiplicação da pobreza. Trata-se de uma classe artística ignorante e bárbara, que não faz nada além de perpetuar sua própria ignorância.

10. O carioca não admite que falem mal da cidade. Relevam tudo para não macular o orgulho de achar que moram na cidade mais bonita do mundo. Já escutei frases como “violência tem em todo lugar”, “deu sorte, podiam ter te matado”, “é só não dar mole”. Essa atitude faz parte da cultura que vai transformando a cidade no que estamos vendo.

Em resumo, o Rio de Janeiro está beirando o caos e há uma sensação crescente que o pior ainda está por vir.

Fragmentação

c4d_fragments_by_nihilusdesigns-d59g2uz

Leituras cada vez mais fragmentadas, cheias de hyperlinks. Vídeos de youtube, palestras de 20 minutos, conversas por whatsapp, tudo caminhando para o máximo de consumo no mínimo de tempo.

Curiosamente, somando tudo, usamos cada vez mais tempo para nos ocupar de coisas cada vez mais fragmentadas. Não sei como articular bem o problema, e nem sei se é problema, mas jogo esses pensamentos para tentar achar alguma ordem geral nisso tudo

Se estamos nos ocupando cada vez mais de coisas fragmentadas, o que isso significa? Quais as consequências?

Reclamamos que não temos tempo para ver um filme de duas horas, e por isso ficamos vendo pequenos vídeos do youtube. Somando todos esses vídeos, passa fácil de duas horas. O mesmo vale para outras mídia. Nunca temos tempo e por isso vamos para o facebook, twitter, instagram, etc.

Estaremos nos ocupando de quantidade em detrimento de qualidade?

Por enquanto, apenas começo a perceber que talvez exista um problema sério na contemporaneidade.

Sócrates nos ensinou que a filosofia começa com o espanto, de algo que não conseguimos entender e que o senso comum não nos satisfaz.

Estou nessa fase.

Desabafo

Estou de saco cheio.

Existem pessoas que não admitem que você fale em civilizações mais avançadas do que outras. No entanto, se seu país não aceita que se mate bebês, idosos, ou que as pessoas possam se drogar na boa, você mora em um país atrasado. Os ditos países mais avançados do globo, segundo estes mesmos que dizem que todas as culturas são iguais, praticam algo muito próximo da eugenia, mas atrasado é você que defende conceitos superados como família, tradição e religião.

Estou sinceramente cansado de defender livre mercado contra pessoas que defendem o socialismo, ancorados em polpudos salários pagos pelo estado e com aposentadoria top. Nenhuma religião presta, desde que esta religião seja a de Cristo. Qualquer outra é sinal de avanço e progresso.

Liberdade de expressão? Claro. Desde que seja para dizer o que estes iluminados pensam. Falar em verdade é superstição, coisa de atraso. Mas tudo que estas pessoas falam é sinal de verdade. Você deve duvidar de tudo, dizem elas, menos o que eu estou te dizendo.

Eu não posso mais dizer algo que está escancarado, a vistas de todos, se esta realidade pode ofender alguém mais sensível. Mas se o ofendido for alguém ou algo identificado com alguma suposta perseguição do passado, tipo homem branco cristão, aí pode. Vale chamar de assassino, estuprador em potencial, desumano. Absolutamente tudo. 

Por isso parei de discutir publicamente sobre um monte de coisas. Estou de saco cheio. O mundo foi tomado por hipócritas e não vai mudar tão cedo.