Feeds:
Posts
Comentários

Archive for maio \25\UTC 2018

Uma das vantagens de resolver não opinar sobre o que não sabe, é poder aguardas e observar os acontecimentos. Não sei o que move a chamada greve, ou lockout, nem o que pretende. Também não confio na imprensa para saber por ela. Ou seja, estou no escuro, como acho que quase todo mundo está. É libertador não ter que automaticamente ficar do lado ou contra qualquer coisa que aconteça.

Entretanto, sinto algo de diferente neste movimento. Não creio que tenha sido arquitetado por sindicados ou movimentos de esquerda. Acho que eles estão tão confusos quanto nós. Talvez este movimento seja o início. Mas de que?

Bem, do enfrentamento da sociedade ao poder avassalador, e um tanto ilusório, do estado. Em 1985 iniciamos a Nova República. Seu mito fundador é que os militares era os vilões e, agora, com a democracia plena, simbolizada pelas eleições diretas para presidente, iniciava-se uma nova era. A direita não existia neste concerto, apenas como espantalho. Todos os partidos, que começariam a se multiplicar como coelhos, seriam de esquerda. Diante do silêncio envergonhado da direita, passamos a ter décadas de discurso único nas universidades, imprensa e cultura em geral. Criou-se o clima para que duas pessoas completamente inadequadas fossem aceitas como presidentes, mesmo que tivessem valores e idéias completamente opostas da maioria da população.

Se existe uma coisa que liga todos os governos da Nova República foi a crescente imposição de impostos nos três níveis da administração. O resultado é uma economia que se acredita ser praticamente dominada direta ou indiretamente pelo estado. Tecnicamente estamos em uma economia fascista ou bem perto dela. O espírito do brasileiro desceu ao nível mais baixo de sua história. Ninguém mais acredita que seremos algo melhor do que somos, o ressentimento aflora cada vez mais, a indiferença e melancolia crescem a cada dia. A relação do brasileiro com a seleção talvez seja a melhor evidência deste estado de coisas. Nunca o Brasil foi tão apático para uma Copa do Mundo, um evento que literalmente parava o país.

Pois a Nova República chegou no limite. Não sei o que vai acontecer, mas acho que uma hora todo este espírito mortificado da nossa sociedade vai se rebelar de vez, como ensaiamos em 2013 e 2016. Não sei se o resultado; nada garante que ficaremos melhor. A Revolução Francesa transformou a maior país da europa em um ditadura para depois entrar em uma sucessão de crises políticas que ainda não terminou. Por outro lado, a revolução americana e inglesa construíram duas grandes nações. Não creio que tenhamos estadistas para o desafio; pelo menos não ainda.

A greve mostrou que o governo é poderoso, mas se sustenta por pilares frágeis, sendo o principal o espírito submisso do brasileiro perante o estado. Sempre dá para empurrar mais uma safadeza, mais uma lei apertando o controle. Diante da paralisação dos caminhoneiros, o governo ficou perdido e a classe política não sabe nem o que pensar, quanto mais o que deve ser feito. O grande perigo dessa greve é o brasileiro entender que deve assumir o destino de seu país e se rebelar. Aí, não terá quem segure.

Anúncios

Read Full Post »

mondayFiquei bem impressionado com essa produção original NETFLIX (Onde Está Segunda?, 2017). Trata-se de uma distopia. O mundo está superpovoado e uma mutação devido a manipulação de alimentos provoca um surto de nascimento de múltiplos gêmeos. A solução é instituir um programa de filhos únicos em que os demais irmão são congelados para que os cientistas resolvam o problema de alimentação e eles sejam descongelados no futuro, com o problema resolvido.

Acho impressionante como o fantasma malthusiano continua a assombrar muita gente e volta e meia surja um filme que trata do problema populacional. Confesso que quando viajo de avião, só vejo uma imensidão de espaços vazios, mesmo passando pelo Estado de São Paulo. Talvez o fato de grande parte do mundo ocidental estar vivendo em grandes cidades explique a sensação de um mundo super povoado.

De qualquer forma, o filme é muito bem feito, com grande dose de tensão ao mostrar a luta de sete irmãs gêmeas que conseguem a proeza de chegar aos 30 anos como se fossem uma só. O segrego é que cada dia da semana, só uma pode circular enquanto as demais ficam escondidas no apartamento. Só que algo dá errado e Segunda (cada uma tem um nome da semana) não retorna. Sem saber o que aconteceu, as demais começam a descifrar o enigma.

Sistemas totalitários se constroem com a destruição de laços de solidariedade construídos historicamente, como a família. Não é diferente neste filme, onde a união das irmãs é sua força contra o Estado, e a desunião sua fraqueza. Assistam e descubram o que aconteceu com Segunda.

Read Full Post »

Read Full Post »

Sentimentalismo e Ideologia

Neste vídeo, eu uso um ensaio do editor da Imagine, Gregory Wolfe, sobre artes, para tentar entender a atração das ideologias. A chave é o recorte da realidade.

Read Full Post »

az4l4pu9rnlfellvmrwf

Terminei a segunda temporada da série The Good Place, do Netflix. Próxima só será lançada em outubro. Por que assistir esta série? Eis meus cinco motivos:

  1. A base da série é a filosofia moral. E sim, pode ser bem divertido.
  2. Reflexões sobre o bem e o mal? Céu e o inferno? Aqui tem uma boa metafísica também.
  3. Reviravoltas. Várias. Melhor ainda se não tentar advinhá-las e se deixar surpreender.
  4. Crítica da cultura pop com piadas inspiradíssimas e sem apelação. Sutileza é o tom.
  5. Personagens memoráveis. E a volta em grande estilo do Ted Danson.

Read Full Post »

Talvez o fato mais significativo da última semana tenha sido a reação da policial que matou um assaltante que ameaçou um grupo de mães e crianças em frente a uma escola. O jornalismo entrou em polvorosa porque sentiu que uma narrativa entrou em jogo naquele momento. O apoio maciço da população não deixou dúvidas de que o Brasil está farto da violência e, se o estado não consegue prender e manter preso seus marginais, melhor que seja morto no ato.

Não estou dizendo que foi uma execução, longe disso. A policial agiu corretamente, de acordo com seu treinamento. Tem que ter coragem para sacar uma arma para enfrentar um bandido armado; e nem deixou cair a bolsa! Não tem como dar voz de prisão quando o marginal tem pessoas sob a mira de sua arma. Tem que abater mesmo, e ela foi perfeita.

O mais interessante são as reações. Muita gente comemorou o fato que o bandido morreu e é esse ato de aparente desumanidade que mostra o ponto que a população chegou. Se tivéssemos a certeza que o bandido seria julgado e iria passar um bom tempo na cadeia, a celebração seria menor. Mas se sabe muito bem que logo estaria solto e praticando novos crimes. Este fato simples mostra como a injustiça, e a impunidade, corrói o espírito de uma nação. Tudo isso acontece porque o estado não funciona, pois deixa de lado o que seria sua principal função para tratar com prioridade problemas que ele ajuda a criar ou piorar.

Na minha concepção, a função primordial do estado é segurança e defesa. É para isso que ele existe, e trata-se de algo que praticamente só ele pode fazer. Ninguém imagina uma polícia, um exército ou uma justiça privados. São funções eminente dos estados em todos os tempos, sejam nações ou mesmo cidades-estados. Em complemento, pode ajudar a promover o bem comum com algumas ações em outras áreas. O problema é que fomos convencidos que o Estado é o principal ator para promover o bem comum, para promover o tal desenvolvimento econômico e social.

Eleição em eleição somos convencidos que o importante é economia, saúde e educação. A violência é varrida para debaixo do tapete porque ninguém quer tratar deste tema espinhoso e de tantos fracassos.

É aí que o jornalismo faz um enorme desserviço. Dominado por ideologias parasitas, recusa-se a confrontar políticos com o problema da violência, suavizado com o nome de segurança pública, e faz o que pode para reforçar a narrativa que o importante é a economia. O resultado é aquela bizarrice de um debate presidencial em que candidatos vomitam números ante uma população hipnotizada que não tem a menor condição de analisá-los. O brasileiro se convenceu que seu bolso é mais importante que sua vida e por isso aceitou ser dominado por mais de 20 anos por partidos que têm visões simpáticas sobre a bandidagem.

Casos como o dessa policial mostra que a população está querendo acordar dessa hipnose sinistra e quer voltar a andar segura nas ruas, quer suas casas sem grades, quer a volta da vida em comunidade e não ficar trancada à noite dentro de casa. Por isso o pânico nas redações. Já pensou se o brasileiro entender que a principal função do estado é promover a segurança jurídica e pública, além da defesa? Onde iríamos parar? Como movimentar as somas astronômicas para nossas universidades, base de nossso sistema educacional de péssima qualidade? Como continuar sustentando uma cultura que só promove valores que a maioria da população condena? Como continuar jogando dinheiro fora patrocinando redes de televisão por meio de propaganda de suas estatais? Como continuar tirando nosso dinheiro para emprestar quase de graça para empresas selecionadas?

Os políticos defensores de bandidos desta vez se calaram. Sabem que, em ano de eleição, não podem confrontar diretamente a policial impunemente. Não precisam. Para isso tem a grande mídia e os Sakamotos da vida. Eles estão na linha de frente para continuar entortando o senso comum das pessoas. Mas não nos deixemos enganar, estão desesperados. Ainda possuem poder, dinheiro, mas sabem que se a verdade vier à luz, não têm a menor chance.

Se o brasileiro entender que estar vivo é mais importante que dinheiro, a esquerda será varrida da vida pública do país.

Read Full Post »

Thanos e seu simbolismo

infinity-war-thanos-glove

Apesar do título fazer referência aos Vingadores, Guerra Infinita é um filme sobre Thanos, o vilão cósmico que deseja eliminar metade das criaturas vivas pois acredita que o universo está desequilibrado, sem recursos para sustentar uma população tão grande, uma espécie de Malthusianismo cósmico. Ele acredita na racionalidade de sua solução e se coloca como aquele que tem coragem suficiente para implementá-la. Na maioria das vezes é simpático, bem articulado e sempre fala em nome do universo. Não surpreende que muitos o considerem interessante, que seu discurso “faz sentido”, pois ele ecoa, em muito, aqueles que tem o mundo como idéia, ou seja, que acham que o mundo é aquilo que acreditam ser, um produto de suas imaginações e não a realidade que se impõe.

Thanos é um símbolo de uma mentalidade que tomou conta do mundo a partir da modernidade, mas que encontra sua raiz nos movimentos gnósticos quem marcaram os primeiros séculos do cristianismo. Reduzindo bastante, o gnosticismo acredita que o mundo é uma criação imperfeita e tomada pelo mal. O homem é prisioneiro neste mundo e pode transformá-lo em um paraíso, bastando para isso o conhecimento de seus mecanismos. O gnosticismo foi considerado herético pela Igreja pois, na prática, nega a queda do homem. O mundo não seria um problema por causa do uso que o homem fez dele, mas porque foi criado de maneira imperfeita por Deus. A Igreja entendeu que o gnóstico queria simplesmente tomar o lugar de Deus para corrigir a criação.

Este é justamente o núcleo da motivação de Thanos. Thor percebeu muito bem e no início do filme diz a ele: você nunca será um deus. Mesmo concentrando todo o poder do universos, como o titã louco quer fazer, seu pensamento se baseia na maior ilusão de todas, o de tomar o trono de Deus. Essa mentalidade, que tanto anima as ideologias da modernidade, só é capaz de gerar o inferno, com muito sofrimento humano. “Mas as mortes são aleatórias, não distingue ricos e pobres!” dizem aqueles que justificam tudo em nome do igualitarismo. O filme acerta até nisso, pois como mostrou a experiência totalitária, o poder absoluto leva ao mal aleatório. Ninguém sabia quem Stálin mandaria matar a seguir. Poderia ser seu maior inimigo ou seu maior amigo. A morte se torna impessoal e por isso mesmo, aleatória.

Os heróis da marvel sabem que o homem é imperfeito e não possuem ilusões de um paraíso terreno. Tudo o que querem é lutar contra o mal, evitar ao máximo seu efeito destruidor. Para isso estão dispostos a qualquer sacrifício, como ir para o planeta de Thanos para evitar que a guerra se travasse na Terra. São humanos, e falhos. Por vezes deixam se levar pela hybris, como acontece com Peter Quin, o Starlord, e pagam caro por isso. Erram, sofrem, buscam a redenção. Essa é a epopéia de qualquer herói e por isso funcionam tão bem. No entanto, possuem um ponto em comum, recusam o pensamento utilitarista. Não aceitam trocar uma vida por milhões pois sabem que cada vida é um valor em si mesmo e aceitar uma troca destas significaria perder a alma, algo muito mais valioso do que a vida. Por isso Visão tem que viver; por isso o Doutor Estranho troca sua jóia pela vida de Tony Stark, que mal conhece.

Guerra Infinita apresenta o maior vilão da Marvel, alguém que representa o caos ordenado, o assassinato levado por uma mente fria e calculista, com pretensões científicas. Enfim, a mentalidade revolucionária de origem gnóstica. Não acredito que possa ser representado inteiramente por uma pessoa, mas seus traços estão presentes em gente e instituições que mostram uma máscara humanitária, de preocupação com o mundo, que precisa ser corrigido, mas que haverá um pequeno custo a pagar. Um custo que não será pago por eles, mas por nós que não acreditamos em suas pregações. Geralmente com nosso sangue pois o deles é precioso demais.

Read Full Post »

Older Posts »