Feeds:
Posts
Comentários

Archive for novembro \16\UTC 2017

 

Esta semana o mundo twitter caiu em cima da cabeça do comentarista político da Globo News, Guga Chacra. Acho um reducionismo tratá-lo no mesmo nível de um simples agente ideológico de esquerda. Acho-o sim capaz de mudar de opinião e, em princípio, vejo nele um espírito investigativo, tentando entender a realidade.

O problema é que ainda tentamos entender a coisa no corte direita x esquerda. A coisa é mais sutil. Pessoas como Guga Chacra e Caio Blinder pertencem a outro corte, o que coloca de um lado globalistas (não confundir com globalização) e anti-globalistas, ou seja, nacionalistas. Só assim começaremos a entender o pensamento de Chacra e Blinder sobre a Polônia.

Para os globalistas, o nacionalismo é algo a ser ultrapassado. Foi graças a ele que tivemos as grandes guerras do século passado e que os conflitos ainda existam. Não vou me estender aqui, mas chama atenção que eles pouco tratam do problema da guerra civil. Se todos fôssemos uma grande nação, como sonham, o que nos impediria de ter uma grande guerra civil? O fato é que na cabeça deles, todo nacionalismo é pernicioso. Não por acaso consideram que nacionalismo e fascismo é a mesma coisa, isso sim um erro de compreensão política monstruosa.

Para ser honesto, Guga Chacra não chegou sozinho na conclusão que tinha uma manifestação nazista na Polônia. Ele simplesmente repetiu o que está sendo propagandeado pelos jornais globalistas da Europa, como o Guardian. O pecado da Polônia é ser, hoje, o país mais nacionalista da Europa. Pouco importa que o país tenha verdadeiro horror a qualquer tipo de totalitarismo, não se pode é retomar o nacionalismo na Europa depois de tudo que foi feito para se implantar a União Européia.

Guga Chacra viu o release do Guardian e não teve dúvidas, até porque a grande fonte de nosso jornalismo internacional são os jornais internacionais, e compartilhou o link do jornal, sobrescrevendo sua manchete. Sua irresponsabilidade foi de não questionar o Guardian, não ter uma leitura mais crítica do que aconteceu. E porque não o fez? Porque compartilha da mesma opinião básica do jornal e da maioria dos jornalistas. Globalismo é bom; nacionalismo é ruim. O globalismo é a nova promessa de resposta de todos os problemas do mundo.

A coisa é mais sutil, e perigosa, que uma distorção de um fato. O problema está na lente que o jornalista enxerga tudo que acontece no mundo. Eu não sou nenhum fã do nacionalismo, mas comparado com o globalismo prefiro-o mil vezes. A idéia de um governo mundial é o caminho mais seguro para um totalitarismo mundial. Quem poderia nos salvar de um regime despótico de alcance global? Marcianos?

Guga Chacra não vai pedir desculpas. Ele não acha que disse nada errado. Se os poloneses estavam marchando pela Polônia, só podia ser uma manifestação nazista. Para ele, e outros como Caio Blinder, que partiu em seu socorro aumentando a bobagem colocando a Hungria no saco, o verdadeiro problema é a virulência das redes sociais. Onde vamos chegar se um jornalista não pode nem falar bobagem sem ser contraditado publicamente?

Anúncios

Read Full Post »

Terminei o Livro XIX de A Cidade De Deus, do Santo Agostinho.
 
Em seus capítulos finais ele discute a questão da República. Entendendo a república como coisa do povo, ele demonstra que pelos conceitos apresentados por Cícero, Roma não teria sido uma república. Tudo porque Cícero definia povo como um conjunto de pessoas com direitos reconhecidos entre si. Como a base para o direito é a justiça, só poderia haver povo se houvesse justiça. Ora, o domínio de Roma sobre as outras cidades era injusta porque baseada no argumento do mais forte, uma posição rechaçada desde Platão. Assim, não tendo justiça, não havia direito e, portanto, não poderia haver povo. Sem povo não se pode falar em República.
 
Agostinho, entretanto, propõe outra idéia para povo. Ao invés de direito, seu fundamento estaria no amor comum. Há de se falar em povo quando um conjunto de pessoas amam entes comuns; O povo será melhor ou pior à medida que amem coisas mais elevadas ou mais baixas. A república, sendo expressão desse povo, refletirá a qualidade desse amor.
 
E daí? Para que serve a leitura desses textos antigos?
 
Bem, tentemos trazer para nossa realidade. O que podemos dizer sobre o nosso Brasil?
 
Evidentemente, pelos conceitos de Cícero, também não somos uma república, pois falar em justiça no país chega a ser piada. No entanto, o colocação do direito como base do povo está bem no espírito kantiano dos nossos progressistas que, em última análise, colocam a Constituição como principal fonte de justiça (bem interpretada pelos guardiões do STF, claro!). É um ideal de muitos que nossa república seja orientada por uma constituição interpretada por uma elite iluminada, o que contaria qualquer definição de república como coisa pública ou coisa do povo. Seríamos, no máximo, uma coisa dos intelectuais ou das elites. Uma espécie de “res-elites”.
 
Se formos para a proposta de Agostinho, temos que responder o que define o povo brasileiro em termos de amor. O que amamos em comum? Deus? A família? Futebol? Os prazeres do carnaval?
 
Quanto mais baixos forem os amores dominantes, mais baixo será nosso povo e, em consequência, menor a qualidade da nossa republica. Por esta linha de pensamento, nosso problema não é e nem será resolvido no nível político. Precisamos ordenar, em sequência, nossas vidas, nossas famílias, nossa comunidade para chegar na nossa sociedade. Não tem político que resolva uma coisa dessas.
 
Quando buscamos em um texto clássico uma iluminação para, pelo menos, formular questões como essas, estamos nos inserindo em uma cultura, incorporando uma tradição. Há os que pensam que cultura é exposição de rabiscos em museus ou peças de gente pelada imitando macacos. Isso não é cultura, é pirraça
 
Em algum momento da vida temos que escolher o que desemos para nós e nos tornarmos adultos. 
jogo-do-brasil-contra-camaroes061

Read Full Post »